Oradores

Keep the soil covered

01 july 2022

Oradores

sessão 1 - simples.jpg
sessão 2 - simples.jpg
sessão 3 - simples.jpg
sessão 4 - simples.jpg
sessão 5 - simples.jpg

Manter o solo sempre coberto

Quinta Dias nas Árvores, Montemor-o-Novo

01 de julho 2022

Dias nas Árvores é um projeto de Permacultura e Agricultura Regenerativa no Montado do Alentejo. Depois de 5 anos de experiência com vários projetos de Agricultura Biológica, em Março de 2011 viemos habitar um monte alentejano, onde iniciámos a construção de um espaço para produção de hortícolas, agrofloresta e pomar em keyline, certificados em agricultura biológica. Junto à casa, numa parcela com 2 ha, iniciámos a instalação de 0,5 ha de agrofloresta e 0,5 ha de hortícolas em camas elevadas e afundadas. Até final de fevereiro de 2014, com ajuda deamigos e voluntários, plantámos 156 nogueiras, 119 amendoeiras, 138 laranjeiras, 60 clementinas, 50 tangerineiras, 30 tângeras, 35 limoeiros, 1.000 pés de framboesa, 167 pés de amoras, 400 mirtilos, 100 damasqueiros, 100 pessegueiros, 200 ameixeiras, 200 pereiras e 400 macieiras. Para além das fruteiras estão a ser plantadas diversas árvores e arbustos, para melhorar o ambiente físico envolvente do pomar (vento, humidade relativa) e a fertilidade do solo (casuarinas, tagasaste, pascoinhas, giestas, etc).

Quinta Dias nas Árvores.png

Maximização da diversificação de espécies

Vila Feliz Cidade, Golegã

08 de julho 2022

Com início em 2019, a Vila Feliz Cidade integra um projeto de agrofloresta da empresa Mendes Gonçalves. Embora o nome desta empresa possa não ser reconhecido de imediato, as marcas Paladin e Peninsular dispensam apresentações dado que fazem parte da vida e do quotidiano dos portugueses. A primeira agrofloresta da empresa nasceu com base nos conceitos de Agricultura Sintrópica e Regenerativa, e a principal ideia deste sistema é aproveitar ao máximo todos os extratos. As produções nesta agrofloresta são os pimentos picantes como hortícola e as fruteiras para consumo na fábrica, para vinagre. Na exploração também existem oliveiras, algumas centenárias de onde são colhidas as azeitonas, para extração de azeite, para consumo interno. Além disso, já se faz alguma produção de galinhas de quatro raças autóctones portuguesas. Neste momento, estas agroflorestas, baseadas em Agricultura Sintrópica estão certificadas para Modo de Produção Biológico ou em fase de conversão.

Vila Feliz Cidade, Golegã - Cópia.png

Manter as raízes vivas

Biofrade, Lourinhã

15 de julho 2022

A Biofrade é uma empresa familiar, que iniciou o modo Biológico em 1991. Mais tarde, a partir 1998, passou a produzir e comercializar só produtos de Agricultura Biológica. A Biofrade está localizada no Concelho da Lourinhã, na região Oeste de Portugal, região esta propícia à produção de hortícolas de alta qualidade.

 

Para garantir uma oferta diversificada todo o ano, a Biofrade para além da produção própria, tem parcerias com outros produtores nacionais, recorrendo à importação quando não existe produção nacional. Possuímos assim também uma vasta experiência na Importação e na Exportação.

Biofrade, Lourinhã - Cópia.png

Perturbação mínima do solo

Hortas da Rainha, Torres Novas

22 de julho 2022

Hortas da Rainha é um novo projeto agrícola que dá continuidade há 10 anos de trabalho enquanto Quinta do Alecrim. O objetivo deste projeto é diversificar e aumentar a escala de produção de sistemas agroflorestais e fechar ciclos. Isto inclui a introdução de animais, diferentes estratégias de desenho e gestão do território, promoção de atividades económicas e culturais correlatas que incluem, um sistema próprio de cabazes, gastronomia, atividades culturais e também o desenvolvimento de outros mercados e produtos.

 

Denis Hickel é agricultor e consultor de design de sistemas produtivos agroecológicos. É Doutor em Design, co-autor do livro Boas Práticas Agrícolas para o Solo e para o Clima, cofundador do Projeto Quinta do Alecrim e atualmente Hortas da Rainha.

Hortas da Rainha, Torres Novas - Cópia.png

Integração de animais em culturas de rendimento (cash crops)

Monte Silveira Bio, Ladoeiro

29 de julho 2022

Dos cerca de 700 hectares da área de exploração pertencente à Monte Silveira Bio localizada em terras da Beira Baixa, cerca de cinco centenas estão ocupadas por floresta constituída por montado de azinho e sobro - o remanescente está reservado a culturas de regadio, onde são produzidos os cereais, as leguminosas e as ferragens biológicas desde 2000.

Culturas à parte, o Monte Silveira Bio também se dedica à criação das raças Salers e Charolesa, nos bovinos, e as raças Merino Branco e Merino Preto, nos ovinos, que se alimentam ao ar livre. Esta ação sinergética substitui o trabalho das máquinas e contribui para a redução de CO2, e propicia a fertilização natural dos solos da exploração agrícola, sem que haja necessidade de se recorrer a produtos químicos. No caso das ovelhas, andam livremente no montado, para efetuarem a limpeza dos solos desta área específica da propriedade, mas só em determinada época do ano. Porque entre outubro e fevereiro, altura em que aparece a bolota, é a vez do porco alentejano desfrutar desta dádiva da natureza.

Monte Silveira Bio, Ladoeiro - Cópia.png